SE VOCÊ PENSAR, VAI DESCOBRIR QUE TEMOS MUITO A APRENDER.

Muitíssimo bem-vindos amigos!

Muitíssimo bem-vindos amigos!

luciene felix lamy

luciene felix lamy
Desfrute-o com vagar: há + de CEM artigos entre filosofia, literatura, mitologia, comédias e tragédias gregas (veja lista completa logo abaixo, para acessar clique sobre o título).

ELEITO UM DOS MELHORES BLOG'S NA WEB. Gratíssima por seu voto amigo(a)!

2 de ago de 2008

Darwin, Nietzsche e Freud: Deus está morto?


“Aquele que tem ciência e arte, tem também religião: o que não tem nenhuma delas, que tenha religião”. Goethe

No artigo anterior (abaixo), ao versarmos sobre ontologia (ciência do ser-enquanto-ser), constatamos que podemos “pensar” o Ser, quanto a possibilidade de “dizer” sobre o Ser, a linguagem nos impõe limites.

Os pensadores acima, legítimos representantes das “luzes”, do Iluminismo, são responsáveis por algumas das idéias mais revolucionárias e polêmicas acerca da natureza social, metafísica e fisiológica do homem.

O evolucionista Charles Darwin (1809-1882), em sua famosa obra “A origem das espécies”, discorre sobre a teoria da evolução dos seres vivos mediante a seleção natural. Darwin prova por a + b que descendemos dos primatas. Convém salientar que esse eminente britânico, embora afirmasse que religião nada mais é que “estratégia tribal de sobrevivência”, acreditava que Deus era o legislador supremo.

O filólogo e filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900) bebendo nas fontes gregas em “O nascimento da tragédia”, no culto ao orgiástico e desmedido Dionisíaco, em contraponto à ordem e harmonia Apolínea, identificou tensões de forças ocultas expressas na tragédia grega, especialmente nas dos pioneiros, Sófocles e Ésquilo. Considera Homero, insuperável. Também estudou o antiqüíssimo Zoroastrismo, religião que professa que seu “deus” Ahura-mazda abarca o bem e o mal em si mesmo.

Para Nietzsche, o que há é a natureza, em sua potência energética: Apolo (ordem) em contraponto a Dioniso (caos). Uma espécie de cega, pujante e indestrutível “vontade de potência”, sempre em luta, em alternância. Um não existe sem o outro; na verdade, cada uma dessas potências (luz e escuridão), só se revela, através da outra. Nietzsche dirá que, a natureza tem seus desígnios, e a piedade não é um deles. A religião, especialmente “a do crucificado”, é a responsável por insistir na cultura dos fracos, operando uma transvaloração (inversão) dos valores tais como os dos escravos que valoram a coragem como sendo um mal. Eis que o cristão afirma: nós, os escravos, somos vítimas, somos bonzinhos; eles, os senhores, os afirmativos, são malvados, opressores, não prestam. A submissão foi transformada numa virtude chamada obediência. Disso resultará o grupo dos ressentidos. E todo ressentido torna-se venenoso.

Já o médico austríaco Sigmund Freud (1856-1939), considerado o “Pai” da psicanálise, disciplina que intenta mapear “geneticamente” a psique humana, revelou-nos o inconsciente e suas motivações; Também recorreu aos mitos e tragediógrafos gregos e, eis outro misterioso enlace matrimonial: as pulsões de Eros e Tânatos (pulsões de libido e de morte), ação e repouso, vida e destruição, sempre em conjunto. Freud afirma que o sentimento religioso de um vínculo indissolúvel, de algo ilimitado, sem fronteiras, essa sensação de eternidade, algo oceânico, por assim dizer, não passa de uma ilusão.

Para ele, todo nosso histórico biológico, encontra-se preservado em nossa vida mental, psíquica. Tal sentimento pode ser identificado acompanhando o feto no interior do útero, onde se encontra no verdadeiro paraíso, com todas as necessidades satisfeitas, em prazer imperturbável e absoluto. Dessa “memória” biológica (registrada em nosso inconsciente) deriva nossa sensação de plenitude, para onde sempre desejaremos regressar: “cada um de nós se comporta, sob determinado aspecto, como um paranóico, corrige algum aspecto do mundo que lhe é insuportável [os infortúnios, acasos do destino, a finitude, por exemplo] pela elaboração de um desejo e introduz esse delírio na realidade. Concede-se especial importância ao caso em que a tentativa de obter uma certeza de felicidade e uma proteção contra o sofrimento através de um remodelamento delirante da realidade é efetuada em comum por um considerável número de pessoas. As religiões da humanidade devem ser classificadas entre os delírios de massa desse tipo”. E acrescenta: “É desnecessário dizer que todo aquele que partilha um delírio jamais o reconhece como tal” (O Mal-Estar na Civilização).

Darwin, Marx, Nietzsche e Freud são os responsáveis pelo que a academia aponta como sendo “a morte de Deus”. Obviamente, alguns empresários de Deus e instituições religiosas sentiram-se atingidas por suas surpreendentes e perturbadoras descobertas.

Lenda de Adão e Eva, teoria do Big Bang ou quaisquer outras explicações, nada disso abala o homem de fé. Para transcendermos, “acessarmos” o inefável e sublime do Ser, cuja essência sempre escapa ao conceito e à razão, nada como a contemplação da vida, a natureza, a arte e, dentre as expressões artísticas (pinturas, esculturas, arquitetura, literatura, etc), a música é insuperável: arrebata e enleva instantaneamente. O genial Ludwig van Beethoven (1770-1827) imortalizou-se com apenas quatro notas musicais! Ciência, arte e amor, suprema religião: onde os deuses e os homens se encontram.

Saiba mais:

Ouçam o imortal Beethoven, sob a batuta do inesquecível Maestro Herbert Von Karajan.
Karajan – Beethoven Symphony No. 5 Part 1

http://www.youtube.com/watch?v=zhcR1ZS2hVo

7 comentários:

Anônimo disse...

Luciene, obrigado pela bela leitura que me proporcionou.

Aprecio muito seu estilo e a cadência que imprime às suas idéias.

Você faz uma análise com simplicidade de um tema profundo,que, inicialmente, afastaria qualquer pensador de tal exercício.

Gosto muito de suas colocações etimológicas, traduzindo sempre a atualidade do assunto.

Agradeço a lembrança e ficaria mais satisfeito ainda se recebesse outros artigos.

Abraços e muito sucesso.
Eudes Jr.

Luciene disse...

Caríssima Luciene Felix,

Saudações!

Sou mestrando em ciências da religião. Navegando por aqui, encontrei o seu artigo Darwin, Nietzsche e Freud - Deus está morto? Li, e achei muito bom, assim decidi escrever para parabenizá-la.

Também sou interessado em mitologia (atualmente estou estudando os mitos modernos, principalmente os relacionados à Justiça, sendo que tratei de um deles em minha Dissertação de Direito), Agostinho, Nietzsche, Freud, Adorno etc.

Seria interessante discutirmos sobre mitologia, antigas e moderna. Eu acredito na circularidade do mito, uma espécie de devir. Você leciona onde?

Bom fico por aqui. Preciso fazer uma monografia urgente.

Até mais,

Ivan de Oliveira Silva

Anônimo disse...

Considero temerária a afirmação de que "Darwin provou por a+b que descendemos dos primatas".

A morte de Deus nos parece uma afirmação pedante e destituída de originalidade, pois Aquele que não foi criado, mas, que, simplemente criou, não pode ser objeto da morte, posto que é indestrutível.

Ademais nem todos que creem são "empresários de Deus". Aliás, uma minoria é. O "religare", cuja raiz epistemológica grega, traduz a idéia de religar-se com Deus, é uma idéia metafísica e abundantemente empírica para não abalar as estrutura da nossa fé, que, a despeito dos estudos acadêmicos e desse inestimável ambiente de estudos e pesquisa, nos permite afirmar: MORREM OS HOMENS MAS DEUS É ETERNO.

Cordialmente.
Eduardo Freire

Ângelo disse...

Olá, Luciene.
Dei uma olhada no artigo, hoje. Achei-o interessante por exprimir em parte a forma de como as pessoas de maior conhecimento apreciam os chamados luminares do pensamento.
Discordo de dois pontos, apontados como fatos: a afirmação da origem do homem evoluído dos primatas e Adão e Eva serem considerados uma lenda.
Beijos.

Luciene Felix disse...

Angelo, querido,

Fico felix que tenha aparecido por aqui.

Quanto às informações que aponta discordar, só posso, parafraseando Kierkegaard, dizer que "a fé é de domínio privado da alma individual" (algo assim). Mas, pessoalmente, não creio que sejam excludentes.

Se puder dar uma olhada no artigo que postarei em 1º de Setembro, compreenderá melhor o que isso significa. Sugiro que comece pelo de Agosto (As 5 Etapas do Movimento de Realização da Realidade - Parte I). Fornecerão bons elementos para pensarmos.

Um grande beijo e muitíssimo grata por sua visita, amigo.

lu.

Ângelo disse...

Um prazer ler seus artigos.
Agora sim, concordo contigo, a saber: que a fé é particular de cada ser e que tanto o relato de Adão e Eva quanto a teoria evolutiva são artigos de fé. Não entendo, fundamentadamente, porque muitos sujeitam Adão e Eva à categoria de lenda ou alegoria.
Eu creio no relato, antes do que a teoria. É a minha fé. :)
Vou ler As 5 Etapas.
Fico feliz por sua hospitalidade no blog.
Beijo.

andrebruno01 disse...

Por Zeus! Esse é o melhor blog que entro em contato em anos!
Muito obrigado por existir e tê-lo feito!

Infelizmente, quanto mais o leio, mais me arrependo de estar cursando Direito e não Filosofia, embora exista modos de conciliá-los (que ainda não encontrei).

De qualquer modo, obrigado novamente.
Acabou de ganhar mais um fã!

Related Posts with Thumbnails

ESCOLHA & CLIQUE (leia no topo). Cultura faz bem ao Espírito!

Eis que a Sabedoria reina, mas não governa, por isso, quem pensa (no todo) precisa voltar para a caverna, alertar aos amigos. Nós vamos achar que estais louco, mas sabes que cegos estamos nós, prisioneiros acorrentados à escuridão da caverna.

Abordo "O mito da caverna", de Platão - Livro VII da República.

Eis o télos (do grego: propósito, objetivo) da Filosofia e do filósofo. Agir na cidade. Ação política. Phrônesis na Pólis.

Curso de Mitologia Grega

Curso de Mitologia Grega
As exposições mitológicas explicitam arquétipos (do grego, arché + typein = princípio que serve de modelo) atemporais e universais.

Desse modo, ao antropomorficizarem os deuses, ou seja, dar-lhes características genuinamente humanas, os antigos revelaram os princípios (arché) de sentimentos e conflitos que são inerentes a todo e qualquer mortal.

A necessidade da ordem (kósmos), da harmonia, da temperança (sophrosyne) em contraponto ao caos, à desmedida (hýbris) ou, numa linguagem nietzschiana, o apolíneo versus o dionisíaco, constitui a base de toda antiga pedagogia (Paidéia) tão cara à aristocracia grega (arístois, os melhores, os bem-nascidos posto que "educados").

Com os exponenciais poetas (aedos) Homero (Ilíada e Odisséia), Hesíodo (A Teogonia e O trabalho e os dias), além dos pioneiros tragediógrafos Sófocles e Ésquilo, dispomos de relatos que versam sobre a justiça, o amor, o trabalho, a vaidade, o ódio e a vingança, por exemplo.

O simples fato de conhecermos e atentarmos para as potências (dýnamis) envolvidas na fomentação desses sentimentos, torna-nos mais aptos a deliberar e poder tomar a decisão mais sensata (virtude da prudencia aristotélica) a fim de conduzir nossas vidas, tanto em nossos relacionamentos pessoais como indivíduos, quanto profissionais e sociais, coletivos.

AGIMOS COM MUITO MAIS PRUDÊNCIA E SABEDORIA.

E era justamente isso que os sábios buscavam ensinar, a harmonia para que os seres humanos pudessem se orientar em suas escolhas no mundo, visando atingir a ordem presente nos ideais platônicos de Beleza, Bondade e Justiça.

Estou certa de que a disseminação de conhecimentos tão construtivos contribuirá para a felicidade (eudaimonia) dos amigos, leitores e ouvintes.

Não há dúvida quanto a responsabilidade do Estado, das empresas, de seus dirigentes, bem como da mídia e de cada um de nós, no papel educativo de nosso semelhante.

Ao investir em educação, aprimoramos nossa cultura, contribuimos significativamente para que nossa sociedade se torne mais justa, bondosa e bela. Numa palavra: MAIS HUMANA.

Bem-vindos ao Olimpo amigos!

Escolha: Senhor ou Escravo das Vontades.

A Justiça na Grécia Antiga

A Justiça na Grécia Antiga

Transição do matriarcado para o patriarcado

A Justiça nos primórdios do pensamento ocidental - Grécia Antiga (Arcaica, Clássica e Helenística).

Nessa imagem de Bouguereau, Orestes (Membro da amaldiçoada Família dos Atridas: Tântalo, Pélops, Agamêmnon, Menelau, Clitemnestra, Ifigênia, Helena etc) é perseguido pelas Erínias: Vingança que nasce do sangue dos órgãos genitais de Ouranós (Céu) ceifado por Chronos (o Tempo) a pedido de Gaia (a Terra).

O crime de matricídio será julgado no Areópago de Ares, presidido pela deusa da Sabedoria e Justiça, Palas Athena. Saiba mais sobre o famoso "voto de Minerva": Transição do Matriarcado para o Patriarcado. Acesse clicando AQUI.

Versa sobre as origens de Thêmis (A Justiça Divina), Diké (A Justiça dos Homens), Zeus (Ordenador do Cosmos), Métis (Deusa da presciência), Palas Athena (Deusa da Sabedoria e Justiça), Niké (Vitória), Erínias (Vingança), Éris (Discórdia) e outras divindades ligadas a JUSTIÇA.

A ARETÉ (excelência) do Homem

se completa como Zoologikon e Zoopolitikon: desenvolver pensamento e capacidade de viver em conjunto. (Aristóteles)

Busque sempre a excelência!

Busque sempre a excelência!

TER, vale + que o SER, humano?

As coisas não possuem valor em si; somos nós que, através do nôus, valoramos.

Nôus: poder de intelecção que está na Alma, segundo Platão, após a diânóia, é a instância que se instaura da deliberação e, conforme valores, escolhe. É o reduto da liberdade humana onde um outro "logistikón" se manifesta. O Amor, Eros, esse "daimon mediatore", entre o Divino (Imortal) e o Humano (Mortal) pode e faz a diferença.

Ser "sem nôus", ser "sem amor" (bom daimon) é ser "sem noção".

A Sábia Mestre: Rachel Gazolla

A Sábia Mestre: Rachel Gazolla

O Sábio Mestre: Antonio Medina Rodrigues (1940-2013)

O Sábio Mestre: Antonio Medina Rodrigues (1940-2013)

Você se sentiu ofendido...

irritado (em seu "phrenas", como diria Homero) ou chocado com alguma imagem desse Blog? Me escreva para que eu possa substituí-la. e-mail: mitologia@esdc.com.br