SE VOCÊ PENSAR, VAI DESCOBRIR QUE TEMOS MUITO A APRENDER.

Muitíssimo bem-vindos amigos!

Muitíssimo bem-vindos amigos!

luciene felix lamy

luciene felix lamy

Meu Insta

Desfrute-o com vagar: há + de CEM artigos entre filosofia, literatura, mitologia, comédias e tragédias gregas (veja lista completa logo abaixo, para acessar clique sobre o título).

ELEITO UM DOS MELHORES BLOG'S NA WEB. Gratíssima por seu voto amigo(a)!

1 de dez de 2016

O Ideal...


Origem (Gen) é fundamental, portanto, o ideal é que fossemos frutos do amor apropriado (não somente hormônios em ebulição) entre nossos genitores e que eles nos recebessem com muito carinho, empenhando-se em nos proporcionar alimento, educação, segurança e saúde, tanto física quanto psíquica.

Que jamais traíssemos quem confia em nós. E que, periodicamente, viajássemos ao estrangeiro (kxenós), admirando nossas diferenças de vestes, fenotípicas, gastronômicas, linguísticas, artísticas e religiosas. Ideal é que aprendêssemos, ao menos, um idioma além do nosso.

Seria conveniente que primássemos por uma alimentação saudável, priorizando frutas, legumes e verduras, nos abstendo (ou minimizando) da inserção de cadáveres de animais em nossa dieta. E também que tomássemos um pouco de sol e caminhássemos todos os dias.

O ideal é que, disciplinados, atentássemos aos nossos horários de sono e de vigília e que, ordeiros, mantivéssemos nossos papéis, documentos, trabalhos e todo o lar limpo e agradável.

Que, além de uma casa aconchegante, dispuséssemos de boas escolas, professores qualificados e bem remunerados, uma infância segura e a teia de familiares e amigos dispostos a nos amparar. Aliás, que em família, fôssemos como entre amigos, onde não os julgamos por suas diferenças, mas, ao contrário, admiramos (apesar ou) justamente por apresentá-las.

Também seria maravilhoso podermos desenvolver nossas aptidões peculiares e termos acesso ao aprendizado de esportes, artes e música. Que experimentássemos a “suave narcose” advinda da contemplação de obras de arte, encenações teatrais, apresentações de dança e shows musicais.

Ideal seria que todos nós estivéssemos satisfeitos com nosso sexo biológico e desfrutássemos de uma prazerosa vida sexual. E também que fôssemos moderados quanto ao uso de substâncias que alteram a percepção, não abusando do álcool e demais drogas.

Que respeitássemos nossos idosos e, responsáveis por nossa própria sobrevivência, jamais nos valêssemos da vulnerabilidade para extorqui-los ou levá-los a trabalhar à exaustão, causando-lhes preocupação até o fim de seus dias.

Seria perfeito que nossos dirigentes políticos trabalhassem com honradez, dignificando o cargo e as responsabilidades que delegamos a eles, atentando que a “res” (coisa) é pública e não privada.

O ideal mesmo seria que em nenhum lugar do mundo houvesse necessidade de leis e prisões que penalize quem recorre ao aborto, abandono de incapaz, incesto, pedofilia, estupro, assassínio, roubo, corrupção, tráfico e outras atrocidades.

Que desenvolvêssemos ciência e tecnologia a serviço do bem-estar e do progresso da humanidade e que, independente de nossa formação (técnica, graduação e/ou pós), buscássemos estudar também política, arte, filosofia, história, psicologia, antropologia, sociologia, mitologia e literatura, entre tantos outros saberes.

Seria conveniente que, altruístas, contribuíssemos de alguma forma com os desfavorecidos, nos engajando num projeto de cunho filantrópico.

Que, ao contemplarmos o mar, os pores do sol e os luares, estivéssemos cônscios de que reveses, tragédias e infortúnios fazem parte da vida, pois a natureza (physis) é o que é, e nós, de passagem, por instantes fitamos o infinito.

O ideal seria que, recusando naturalmente o grotesco, o desmedido e o desarmonioso, fizéssemos uso do “lógos” (ratio) com qual fomos dotados, priorizando a Bondade, a Beleza e a Justiça, como rogou o maior filósofo de todos os tempos.

Corajosos, que nos erguêssemos por Justiça! Que não tivéssemos medo de dizer o que pensamos, pois essa é a condição do escravo; que manifestássemos nossas opiniões – bem fundamentadas, calcadas e lúcidas –, mas que, antes de criticar aos demais, expiássemos (com “x” mesmo!) nossas próprias fraquezas.

A fim de combater nossa vã glória (vanitas), perfeito seria se recordássemos que a decrepitude e a morte são mesmo inevitáveis. E que não fôssemos tão invejosos quanto a boa Fortuna alheia, pois como diz o provérbio: “Até nas flores vê-se a diferença de sorte, umas enfeitam a vida; outras enfeitam a morte”. E, quanto à ganância, lembrássemos de que nunca teremos o suficiente daquilo que não precisamos.

Que sentíssemos entusiasmo, felicidade e gratidão pela vida –, uma dádiva! –, compreendendo que a Fé, âmbito privado de cada alma individual, é mesmo um espanto para a razão!

Independente de todo esse ideal, boa bússola é a que roga que não devemos fazer aos outros o que não queremos que façam conosco e –, o cúmulo do ideal, pois é Natal –:  que nos amemos uns aos outros, como Ele nos amou.

Os dois maiores filósofos da Antiguidade: Platão, segurando sua obra “Timeu” (sobre o Cosmos), aponta o dedo para o alto, chamando a atenção para o mundo das ideias. E, Aristóteles (manto azul), discípulo de Platão, com sua mão apontando para o chão carrega a “Ética [a Nicômaco]”, chamando a atenção para realidade. Detalhe da obra “A Escola de Atenas” (1509/11), do renascentista Rafael Sanzio. Museu do Vaticano, Roma.
.

Desejo que em 2017 a Ideia de perfeição (ideal) seja, na medida do possível, perseguida e alcançada, posta em prática. Boas Festas!


É o Belo, é a contemplação da beleza que nos leva a filosofar. Dedicado ao meu Amor, Marcelo Lamy, que hoje aniversaria. Parabéns! Que o Olimpo nos conceda o destino de Filemôn e Baucis.



Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails

ESCOLHA & CLIQUE (leia no topo). Cultura faz bem ao Espírito!

Eis que a Sabedoria reina, mas não governa, por isso, quem pensa (no todo) precisa voltar para a caverna, alertar aos amigos. Nós vamos achar que estais louco, mas sabes que cegos estamos nós, prisioneiros acorrentados à escuridão da caverna.

Abordo "O mito da caverna", de Platão - Livro VII da República.

Eis o télos (do grego: propósito, objetivo) da Filosofia e do filósofo. Agir na cidade. Ação política. Phrônesis na Pólis.

Curso de Mitologia Grega

Curso de Mitologia Grega
As exposições mitológicas explicitam arquétipos (do grego, arché + typein = princípio que serve de modelo) atemporais e universais.

Desse modo, ao antropomorficizarem os deuses, ou seja, dar-lhes características genuinamente humanas, os antigos revelaram os princípios (arché) de sentimentos e conflitos que são inerentes a todo e qualquer mortal.

A necessidade da ordem (kósmos), da harmonia, da temperança (sophrosyne) em contraponto ao caos, à desmedida (hýbris) ou, numa linguagem nietzschiana, o apolíneo versus o dionisíaco, constitui a base de toda antiga pedagogia (Paidéia) tão cara à aristocracia grega (arístois, os melhores, os bem-nascidos posto que "educados").

Com os exponenciais poetas (aedos) Homero (Ilíada e Odisséia), Hesíodo (A Teogonia e O trabalho e os dias), além dos pioneiros tragediógrafos Sófocles e Ésquilo, dispomos de relatos que versam sobre a justiça, o amor, o trabalho, a vaidade, o ódio e a vingança, por exemplo.

O simples fato de conhecermos e atentarmos para as potências (dýnamis) envolvidas na fomentação desses sentimentos, torna-nos mais aptos a deliberar e poder tomar a decisão mais sensata (virtude da prudencia aristotélica) a fim de conduzir nossas vidas, tanto em nossos relacionamentos pessoais como indivíduos, quanto profissionais e sociais, coletivos.

AGIMOS COM MUITO MAIS PRUDÊNCIA E SABEDORIA.

E era justamente isso que os sábios buscavam ensinar, a harmonia para que os seres humanos pudessem se orientar em suas escolhas no mundo, visando atingir a ordem presente nos ideais platônicos de Beleza, Bondade e Justiça.

Estou certa de que a disseminação de conhecimentos tão construtivos contribuirá para a felicidade (eudaimonia) dos amigos, leitores e ouvintes.

Não há dúvida quanto a responsabilidade do Estado, das empresas, de seus dirigentes, bem como da mídia e de cada um de nós, no papel educativo de nosso semelhante.

Ao investir em educação, aprimoramos nossa cultura, contribuimos significativamente para que nossa sociedade se torne mais justa, bondosa e bela. Numa palavra: MAIS HUMANA.

Bem-vindos ao Olimpo amigos!

Escolha: Senhor ou Escravo das Vontades.

A Justiça na Grécia Antiga

A Justiça na Grécia Antiga

Transição do matriarcado para o patriarcado

A Justiça nos primórdios do pensamento ocidental - Grécia Antiga (Arcaica, Clássica e Helenística).

Nessa imagem de Bouguereau, Orestes (Membro da amaldiçoada Família dos Atridas: Tântalo, Pélops, Agamêmnon, Menelau, Clitemnestra, Ifigênia, Helena etc) é perseguido pelas Erínias: Vingança que nasce do sangue dos órgãos genitais de Ouranós (Céu) ceifado por Chronos (o Tempo) a pedido de Gaia (a Terra).

O crime de matricídio será julgado no Areópago de Ares, presidido pela deusa da Sabedoria e Justiça, Palas Athena. Saiba mais sobre o famoso "voto de Minerva": Transição do Matriarcado para o Patriarcado. Acesse clicando AQUI.

Versa sobre as origens de Thêmis (A Justiça Divina), Diké (A Justiça dos Homens), Zeus (Ordenador do Cosmos), Métis (Deusa da presciência), Palas Athena (Deusa da Sabedoria e Justiça), Niké (Vitória), Erínias (Vingança), Éris (Discórdia) e outras divindades ligadas a JUSTIÇA.

A ARETÉ (excelência) do Homem

se completa como Zoologikon e Zoopolitikon: desenvolver pensamento e capacidade de viver em conjunto. (Aristóteles)

Busque sempre a excelência!

Busque sempre a excelência!

TER, vale + que o SER, humano?

As coisas não possuem valor em si; somos nós que, através do nôus, valoramos.

Nôus: poder de intelecção que está na Alma, segundo Platão, após a diânóia, é a instância que se instaura da deliberação e, conforme valores, escolhe. É o reduto da liberdade humana onde um outro "logistikón" se manifesta. O Amor, Eros, esse "daimon mediatore", entre o Divino (Imortal) e o Humano (Mortal) pode e faz a diferença.

Ser "sem nôus", ser "sem amor" (bom daimon) é ser "sem noção".

A Sábia Mestre: Rachel Gazolla

A Sábia Mestre: Rachel Gazolla

O Sábio Mestre: Antonio Medina Rodrigues (1940-2013)

O Sábio Mestre: Antonio Medina Rodrigues (1940-2013)

Você se sentiu ofendido...

irritado (em seu "phrenas", como diria Homero) ou chocado com alguma imagem desse Blog? Me escreva para que eu possa substituí-la. e-mail: mitologia@esdc.com.br